Como escolher ações de boas empresas pagadoras de dividendos

155

Olá Poupadores, recentemente reli o livro “Faça Fortuna com Ações Antes que Seja Tarde Demais” do Décio Bazin e quero compartilhar com vocês sua estratégia de seleção de boas empresas pagadoras de dividendos.

O Décio Bazin foi um jornalista e um dos investidores pioneiros no mercado de ações brasileiro, escreveu o livro “Faça Fortuna com Ações Antes que Seja Tarde Demais” por volta de 1994 e acreditava que a melhor maneira de prosperar no mercado de ações era através de empresas sólidas que pagavam bons dividendos e mantê-las a longo prazo.

O livro apresenta a abordagem de investimento de Bazin e seus princípios básicos, incluindo a importância da paciência, disciplina e da seleção criteriosa de ações. Ainda hoje, é considerado uma referência para os investidores em ações no Brasil.

O mesmo não só provou que a estratégia é vencedora como também aplicou e construiu um patrimônio que possibilitou uma aposentadoria digna para ele e para seus familiares mesmo após sua morte em 2003.

A estratégia é baseada em ações de empresas que pagavam bons dividendos. Ele acreditava que as empresas que distribuem parte de seus lucros aos acionistas através de dividendos eram mais saudáveis, sólidas e de longo prazo, em comparação com as empresas que não pagavam dividendos.

Sua estratégia consistia em investir em ações de empresas que pagavam dividendos consistentes e crescentes, mantendo essas ações a longo prazo e reinvestindo os dividendos recebidos em mais ações dessas mesmas empresas ou em outras ações que atendessem aos seus critérios de seleção.

Os principais critérios de seleção das ações são:

  • Histórico consistente de lucros e pagamentos de dividendos: como referência a empresa deveria pagar pelo menos 6% de dividendos ao ano para fazer parte da carteira. A cada 6 meses as informações devem ser atualizadas. A empresa deve sair da carteira caso passe dois períodos com dividendos abaixo de 6%.
  • Baixo endividamento: ele não foi específico quanto a este ponto, como referência muitos investidores atualmente utilizam a dívida bruta sobre patrimônio abaixo de uma vez. Mas você pode utilizar qualquer outra métrica, contanto que caracterize que a empresa tenha baixo endividamento.
  • Notícias: o investidor deve fugir de empresas que possuam notícias negativas. Gosto de pesquisar no Google, Moneytimes, Infomoney, entre outros.

Basicamente esses são os pilares da estratégia, mas será que uma estratégia pensada a mais de 30 anos atrás faz sentido hoje em dia? A resposta é claramente SIM, e te digo isso baseado nos clientes do Bazin que ganharam muito dinheiro, no próprio Bazin que faleceu milionário e também pelo estudo realizado pelo pessoal do Clubedovalor.

Nesse estudo eles fizeram um backtest montando uma carteira em 1996 e aplicando a estratégia até 2020, o resultado foi surpreendente, superou com bastante folga o CDI e Ibovespa como pode ser visto abaixo.

Resultado do Backtest retirado do site clubedovalor

Além dos resultados, particularmente gosto da estratégia do Décio Bazin por ser extremamente simples de aplicar, ainda mais atualmente com a facilidade para se obter as informações.

Em poucos minutos é possível levantar quais empresas pagam mais de 6% de dividendos ao ano, quais possuem baixo endividamento de acordo com o critério adotado. A parte mais trabalhosa vem a partir daí, selecionar as empresas com resultados consistentes e sem notícias negativas. Depois é só reanalisar a cada 6 meses e incluir as empresas que passem pelos critérios e remover as que deixem de passar.

E aí Poupador, conta pra nós, já conhecia a estratégia de investimentos do Décio Bazin? O que achou do resultado? Alguma dúvida? Comente aqui em baixo.

 

 

Artigo anteriorRenda passiva recorde!
Próximo artigoVoltamos a ganhar do iBovespa