Começamos 2021 com o pé direito

107
Começamos 2021 com o pé direito

Apresentação do orçamento 2021 e comentários sobre janeiro.

Para o orçamento deste ano, focamos em gastos na ceara da saúde, refletindo o “cavalo de pau” que estamos dando nessa área. Buscamos melhorar a alimentação, praticar exercícios físicos regulares e resolver qualquer problema de saúde que tenhamos.

Aumentamos os gastos nessas áreas, porém sem comprometer nossa expectativa de poupança. Todo o dinheiro sairá basicamente da redução nas categorias de educação e ‘Outros’. Em educação com o fim da especialização da minha esposa, e em ‘Outros’ com a redução de boa parte dos investimentos no consultório.

Assim, conseguimos poupar 33,96% da receita de janeiro, apesar dos gastos com IPTU e com a revisão do carro. Iniciamos o ano com o pé direito.

Abaixo, você confere tudo isso em detalhes e aprende a monitorar tudo o que é importante dentro do seu orçamento. Saiba mais sobre a Jornada da Riqueza.

Receitas

Em janeiro, houve uma redução de 5,50% em relação ao mesmo período do ano passado.

A maior parte é explicada pela queda na renda do consultório. Este ano os ganhos foram no crédito, que será recebido só em fevereiro e março. Também houve uma menor renda extra com vendas dos bens usados que não têm mais utilidade para nós. E, por último, por uma pequena queda salarial com o aumento das contribuições previdenciárias e de impostos de renda. 

Por outro lado, houve ganhos maiores com investimentos (R$2.521,84 v.s. R$3.195,44), o que atenuou parte da queda.

Olhando exclusivamente para a renda passiva, em janeiro recebi R$ 318,78, valor muito inferior aos R$780,67 do ano passado. Em boa parte, explicado por agenda de pagamento diferente, afinal a pandemia quebrou o cronograma de pagamento de muitas empresas listadas. Além disso, receberei o pagamento acumulado dos juros da renda fixa em fevereiro. Segue abaixo gráfico atualizado com os proventos distribuídos desde 2017:

Já nas negociações em bolsa de valores, fiz vendas parciais de Petrorio (PRIO3) visando controlar o risco da carteira. As vendas geraram lucro líquido de R$ 2.876,66 contra R$ 1.741,17 em janeiro do ano passado. As negociações do mês ficaram, mais uma vez, abaixo de R$ 20mil me deixando isento de qualquer imposto de renda sobre o lucro. Essa é uma das maiores vantagens de não fazer day trade: o lucro é tributado em 20%, independentemente do valor negociado.

É bom reforçar que a renda com negociações é mais volátil e depende da mudança no racional sobre o investimento: se acredito que algum dos meus ativos está sobrevalorizado ou ainda por balanceamento da carteira.

Despesas

Ao comparar os meses de dezembro e janeiro, houve aumento de 2,64%.

Com relação a dezembro, gastei muito mais com alimentação, saúde e transportes. Destaque para +37,67% com alimentação. Será que foi a inflação? Também, mas o principal foi o início de um processo de mudança alimentar para melhorar nossa qualidade de vida.

Durante esse período de transição é difícil fazer estimativas precisas, consideramos um aumento médio de 15% com alimentação para esse ano. Até março teremos uma dimensão melhor desses gastos e poderemos ajudar nosso orçamento caso necessário. Esse mês veio muito acima do previsto, mas parte dessa despesa foi na compra de suplementos para pré-treino e pós-treino pago integralmente em janeiro, um gasto que será diluído nos meses seguintes.  

Já com saúde, alta de 213,58%. Contribuiu a alta de 12% nos custos do plano de saúde, somado ao maior uso do meu plano (sistema de coparticipação). Além, de exames físicos fora da cobertura do plano de saúde para tratar melhor o problema da falta de cartilagem na patela do meu joelho. Fora isso já é esperado gastos maiores nessa categoria para os próximos mês, pois essa área recebeu prioridade total e estamos fazendo uma série de exames a fim de garantir que está tudo em ordem.

E com transportes a alta foi de 85,09%. Aumento causado pela revisão automotiva que fazemos em janeiro. Terceira revisão do nosso Peugeot 208 e, dessa vez, próximo do custo básico de revisão. Nas outras duas revisões os gastos foram maiores por conta de diversos componentes de desgastes, é o ônus de comprar um carro usado, porém cuidando, os gastos tendem a diminuir a cada ano, pelo menos foi essa a experiência que tive até então.  

Por outro lado, gastamos menos com vestuário, educação e habitação. Com vestuário praticamente não tivemos despesas esse mês, porém fizemos diversas compras próximo do fim de janeiro, pagamento ficou para fevereiro. Aqui parcelamos ao máximo para antecipar e ganhar um descontinho e também utilizamos nosso novo cartão de crédito da parceria Méliuz + Banco Pan que proporciona 0,8% de cashback em qualquer compra assim que a fatura é paga. Economizar nunca é demais 😉. Para realizar seu cadastro junto a Méliuz, clique aqui. Se cadastre através da minha indicação e ambos vamos ganhar um dinheirinho. 

Com educação a redução foi mais tímida (-13,91%), em dezembro as despesas foram elevadas por causa da renovação da assinatura de três anos da Suno, em janeiro não tivemos essa despesa, porém pagamos parte de um curso de aperfeiçoamento que minha esposa fará, por isso a redução acabou sendo mais tímida. Gastar com educação, nunca é demais.

E com habitação tivemos redução de 8,45%. Redução esperada, visto que em dezembro tivemos um grande gasto extra com o pagamento integral de um novo sofá. Enquanto que em janeiro os gastos extras nessa categoria foram com o pagamento do aspirador de pó, um armário multiuso e o IPTU. O IPTU foi pago em parcela única com desconto de 7,5%, mais uma economia graças ao planejamento financeiro.

Apesar de janeiro ser um mês de altas despesas, principalmente por conta IPTU e revisão automotiva, o nível de poupança foi de 33,96%, um pouco abaixo do nível anual estimado. E claro, não custa lembrar que a base para enriquecer de forma consistente passa por gastar de forma eficiente, poupar e, consequentemente, realizar investimentos inteligentes.

Orçamento

Primeiro mês, vamos apresentar e comentar as principais diferenças desse ano com relação ao ano passado.

Nesse ano teremos duas categorias com grande redução: educação e ‘Outros’. Com educação os gastos previstos caíram praticamente pela metade, isso porque em breve termina o pagamento da especialização da minha esposa. E em ‘Outros’, que abarca qualquer coisa que não se enquadra nas demais categorias, a queda será de 43,23%, principalmente, por menores investimentos no consultório odontológico da minha esposa, visto que a maior parte dos investimentos ocorreram em 2019 e 2020.

Por outro lado, prevemos aumentos expressivos em alimentação, cuidados pessoais e saúde. No geral todos eles com um propósito específico de melhorar a qualidade de vida, cada um em uma área. Com alimentação a expectativa é de gastos quase 25% maiores, principalmente pela mudança de hábitos alimentares. Em cuidados pessoais o aumento será de 93,60%, principalmente, com gastos relacionados a pratica de exercícios físicos regulares. E por fim, diretamente na saúde com gastos 50% maiores, com os gastos relacionados com problemas conhecidos, checkups e investigação se qualquer coisa que possa surgir.

Os gastos nas demais categorias continuam praticamente os mesmos, com variações menores que 10%.

Todo esse planejamento é importante, para dar previsibilidade, pagar contas em dia, a vista quando tem desconto, diminuir compras por impulso e evidentemente economizar uma boa grana. Os benefícios são imensos, se ainda não fez o seu, faça o quanto antes, mesmo um planejamento simples tenho certeza que te trará grandes benefícios.

É isso, Poupadores e Poupadoras! Conte conosco para quaisquer dúvidas, deixa um comentário aqui embaixo.